Condomínios inteligentes são empreendimentos construídos para serem mais seguros e sustentáveis e oferecerem uma vida mais conveniente. Estão caminhando para tornarem a vida cada vez mais parecida com o desenho animado “Jetsons”, em que portas automáticas, esteiras rolantes e eletrodomésticos avançados deixavam muito tempo livre para o lazer (e para as confusões típicas da comédia).

Mas o smart na vida dos Jetsons não estava apenas nos prédios de apartamentos. A família e os outros personagens moravam em Orbit City, uma cidade inteligente na qual os edifícios são construídos sobre colunas que se elevam até o céu.

Neste artigo você vai entender o que é um condomínio inteligente e suas principais características em termos de tecnologia. Em seguida, entender como eles contribuem para as cidades inteligentes. Ao final, vai conhecer práticas típicas do condomínio inteligente que qualquer síndico pode adotar, mesmo em edifícios mais velhos.

O que são condomínios inteligentes?

São aqueles projetados e construídos para permitir o máximo desempenho de tecnologias atuais e futuras, bem como o melhor aproveitamento possível do potencial da área construída. Deve prever a instalação de fibra óptica para a instalação de internet de alta velocidade e ser edificado de forma a aproveitar a luz solar. Geralmente, contam com as tecnologias que vamos mencionar a seguir. 

Identificação biométrica 

Um dispositivo faz a leitura da impressão digital ou da retina de moradores para liberar acesso ao prédio. Isto impede que alguém não autorizado entre por ter roubado a senha ou a chave. Apenas o proprietário e o porteiro podem liberar o acesso a pessoas estranhas.

Interfones com atendimento remoto

Todas as tecnologias estão migrando para a internet. O e-mail, por exemplo, já não precisa mais ser acessado do computador do escritório ou de casa. Basta usar o celular. Com o interfone já ocorre a mesma coisa: um morador pode atendê-lo mesmo fora de casa. Um programa redireciona as chamadas do prédio para o celular do morador. 

Porteiros eletrônicos

Cada vez mais comuns nas grandes cidades, os porteiros eletrônicos são, na verdade, pessoas reais, mas que não ficam no prédio. Profissionais terceirizados, eles podem até mesmo estar em outra cidade e conseguem identificar visitantes por meio da câmera instalada na portaria.

A medida é mais segura porque, como o porteiro não está fisicamente no prédio, não pode ser abordado ou ameaçado por um assaltante. Já que o serviço é terceirizado, o condomínio também poupa com as despesas trabalhistas de porteiros próprios.

Câmeras de segurança

Câmeras monitoram as atividades no condomínio inteligente, em especial em áreas como portaria e garagem. Elas servem para inibir crimes e também podem ajudar na investigação de incidentes, como um carro danificado. 

Automação de energia e água

Sensores de presença instalados em locais como a escada de emergência e a garagem contribuem para grande redução na conta de luz, evitando o desperdício quando alguém esquece de acionar o interruptor.

Outra medida é a instalação de painéis solares, que podem ser usados para esquentar a água do chuveiro, poupando na conta de água. Alguns condomínios vão além e chegam a faturar dinheiro vendendo a energia solar produzida em excesso.

Em áreas de grande circulação também convêm usar torneiras automáticas (como aquelas presentes em banheiros públicos de aeroportos e shoppings), pelo mesmo motivo.

Como condomínios inteligentes contribuem para as cidades inteligentes?

Condomínios inteligentes são os fundamentos das cidades inteligentes (smart cities). Nesse modelo, redes (grids) gerenciam a distribuição de eletricidade por meio do constante monitoramento de oferta e demanda.

Ao trabalhar em conjunto com prédios inteligentes, as redes se conectam a fim de aprender sobre as necessidades dos moradores, responder a mudanças no tempo e se ajustar de forma a alcançar eficiência máxima. Por exemplo, direcionar mais energia em dias nublados (quando não há produção de energia solar) ou muito quentes (quando sobe o consumo com ar-condicionado).

Os prédios são responsáveis por 70% do consumo de energia nas grandes cidades, bem como 30% das emissões de gases com efeito estufa globalmente, de acordo com a Connected Cities. Os prédios mais avançados podem obter nos EUA uma certificação chamada LEED, que gradua o condomínio de acordo com sua sustentabilidade.

Pela forma como são projetados e pelo uso intensivo da tecnologia, condomínios inteligentes ajudam na gestão de recursos naturais por parte das autoridades e contribuem para resolver problemas comuns em cidades com pouca infraestrutura.

A tendência é que, no futuro, prédios sejam construídos de forma a serem superavitários em serviços. Ou seja, em vez de se plugarem à rede de água, esgoto e eletricidade da cidade e consumirem esses serviços, eles vão gerar mais água limpa e energia do que consomem.

Quais soluções dos condomínios inteligentes posso adotar agora mesmo?

Agendamento eletrônico de áreas comuns

Um problema comum em condomínios é a reserva do uso de áreas comuns, como salão de festas e quadras. Alguns moradores podem desconfiar do síndico quando o sistema não é transparente e também entenderem que notificações por escrito dão muito trabalho.

Com um aplicativo de gestão, fica fácil resolver esse problema. Moradores e o síndico podem fazer o agendamento pelo celular de qualquer lugar e a qualquer hora, poupando trabalho, papel e dor de cabeça.

Automação da gestão condominial

As responsabilidades do síndico são muitas, e os problemas logo se acumulam se não for feito um esforço intenso e planejado para realizar muitas tarefas. Nesse contexto, sistemas automatizados são uma mão na roda.

Eles podem ser usados para planejar o pagamento de despesas recorrentes (como gás, água e luz), enviar mensagens públicas e privadas, realizar enquetes, convocar assembleias e construir uma agenda de eventos do condomínio.

Aplicativos para acesso ao condomínio

Com a crescente preocupação com segurança, aumenta a necessidade de registrar e documentar a entrada e saída de pessoas. Um aplicativo facilita muito o registro de fotos e dados dos visitantes, que podem ser consultados depois em caso de necessidade.

Condomínios inteligentes já não são mais o futuro, mas o presente. Cada vez mais síndicos e moradores estão conhecendo as vantagens de uma vida mais segura, conveniente e ambientalmente correta com as tecnologias e práticas que descrevemos aqui. A adoção crescente dessas ferramentas vai contribuir também para vivermos em cidades melhores — quem sabe um dia como a Orbit City dos Jetsons.

Interessante este artigo, não é? Compartilhe nas suas redes sociais para conferir os comentários dos seus amigos e vizinhos.